Luz

perna fina

Os últimos dias foram particularmente difíceis. Ainda não me senti completamente bem. Não consegui voltar ao CrossFit. Senti-me exausta. Depois, recebi esta fotografia no email, olhei para mim e vi-me cheia de luz. Esta vida que é a minha, que às vezes considero madrasta, tem-me feito lindamente. E, apesar de todas as merdas que me aconteceram este ano, talvez estes tenham sido os melhores 365 dias da minha vida.

(Obrigada, querida Isabel Saldanha. Não tenho palavras.)

É Natal, é Natal #1

O Natal aproxima-se e eu já só consigo pensar nas iguarias em que vou meter o dente. Não ligo muito a rabanadas, nem a azevias. Eu quero mesmo é trincar um red velvet. E não me interessa se não é típico. É Natal, é Natal, e no Natal eu como tudo o que eu quiser (ou quase tudo, vá).

velvet-cake-2

Cólica renal? Apendicite? Não. Gases.

Às 5:00 da manhã fui para o hospital. Tinha muitas dores na zona abdominal e dorsal. Achei que as dores não eram brincadeira, que deviam ser vistas.

Quando lá cheguei, levei uma injeção com uma dose-para-cavalo, enquanto tentavam descobrir o que eu tinha. Dado o sítio das dores, disseram-me que seria uma cólica renal.

Passados alguns minutos, acharam que afinal eu tinha uma apendicite. Falaram logo em cirurgia de urgência e eu vi a minha vida a andar para trás.

Raio-x. Ecografia abdominal. Bolsa de ar no intestino. Em português: gases. Eram só puns.

A Perna Fina está a chegar #1

jucaboom

Esta Joana da fotografia não se sentia nada confortável com a sua imagem. Normalmente, usava camisolas largas e leggings. De toda a roupa que tinha, essas eram as únicas peças que lhe serviam.

Esta Joana comia muito. Comia sem pensar. Comia até o estômago doer. Comia até a comida que tinha à frente acabar. Sabia que essa atitude a prejudicava de muitas formas, mas não sabia como mudar.

Apesar de tudo, esta Joana tinha dentro de si uma enorme força de vontade. Com as ajudas certas seria capaz de se transformar. Seria capaz de mudar a sua alimentação e seria, também, capaz de se tornar numa atleta cheia de potencial.

Hoje, a Joana da fotografia já não existe. Existe outra. A nova Joana tem a mesma essência da anterior, mas é diferente em muitos aspetos. Diferente perante a vida no seu todo. Diferente de dentro para fora. Diferente do que foi. Igual ao que sempre quis ser.