A Perna Fina está a chegar #2

Como é Natal decidi presentear-vos com uma belíssima fotografia minha antes da Perna Fina. Esta fotografia foi tirada no dia do meu 27.º aniversário, no Chiado, à porta duma famosa gelataria. Este dia foi muito feliz. Lembro-me que almocei com a minha família na baixa lisboeta e, depois de muitas horas de passeio, encontrei-me com amigos muito queridos. Eu tinha um ar feliz. Talvez eu achasse que aquela felicidade era a mais verdadeira que podia ter na vida. Hoje, quando revejo esta fotografia, vejo alguma felicidade. Vejo, sobretudo, carne em todo o lado. Toda eu sou cara, braços, mamas, anca, pernas. Toda eu sou chicha. Chicha everywhere.

joana 27

Chifres. Cornos. Antenas. Afins.

renasOh oh oh, é Natal, sim senhora, mas não é preciso exagerar nos adereços. Se há coisa que não entendo é por que razão as pessoas colocam, voluntariamente, chifres-cornos-antenas em si próprias. Qual é a necessidade? A mim é que não apanham com cornos postos. P’lo menos que eu saiba.

Dicas INDISPENSÁVEIS para NÃO engordar durante o Natal

Ah ah ah, seus Pernas Finas malandrecos. APANHADOS! Já vinham aí todos fanfarrões a achar que eu tinha a fórmula mágica para se comer em barda e não se engordar, durante estes dias. Nada disso, nada disso. Queria só incentivar-vos a viver o Natal com toda a serenidade e paz do mundo, sem se preocuparem demasiado. Deixemos as preocupações para o resto do ano. Feliz Natal!

Inspira-te, Perna Fina #3

coachella-02

 Mal posso esperar pelos festivais de verão. Há lá ocasião melhor para mostrar as minhas pernas (muito mais) finas!? Não fosse o frio de morte e começava já a ensaiar uns looks.

Pressão

IMG_6678

Não estou a aguentar a pressão do Natal. Por mais que eu evite, há, a cada esquina, uma filhós ou uma fatia de bolo rei a acenar-me. Eu tento resistir, dizer que não, mas é difícil comó caraças. Assim sendo, decidi dar uma folga a mim mesma até ao final do dia 25. Sem exageros. Sem muitos dramas. Afinal, É Natal.

O meu pai é lagarto?!

Ele diz que não, e até já uma ofereceu uma lambada ou duas por brincar com a situação, mas eu acho que afinal o meu pai é lagarto. Ele passa os dias a ver o canal do Sporting. Diz que é para gozar com eles, para comprovar a sua ridicularidade, mas eu começo a duvidar. O meu pai afirmou que se eu o expusesse desta maneira me deserdava, mas eu não quero saber. A única coisa que me interessa é defender o benfiquismo da minha família. Se esta situação não se modificar, juro que pego em mim, vou até aquele estádio verde, lindo, lindo, que fica na 2.ª circular, e trago-lhe uma proposta de adesão para ser sócio e ele que se assuma duma vez. Tenho dito.

Uma palavra: nutella

É Natal e há gente a matar-se por lampreias de ovos e rabanadas. Há gente a arfar por peru recheado, bacalhau com todos ou cabrito assado. Eu (quase) só penso em nutella.

Quando há um ano me tornei na Perna Fina, decidi que alguns alimentos não podiam existir na minha alimentação de todos os dias. Cortei ao máximo com o açúcar, que era o meu maior pecado, e, por isso, cortei automaticamente com o meu género alimentício preferido do mundo inteiro: nutella.

Eu amo nutella e acho que são seres menores todos aqueles que não A amam também. A nutella é cremosa, intensa, doutro mundo. Eu amo comer nutella com pão, nutella com morangos, nutella com banana, nutella com crepes, nutella com panquecas, nutella com nutella… Pronto, vou acalmar-me.

Jurei a mim mesma que a nutella só voltaria a entrar a minha vida no Natal. Há um ano que estou a desejar o seu regresso, que salivo só de a imaginar a dançar na minha boca (salvo seja).

Hoje comprei um frasco dos mais pequenos. Assim que cheguei a casa saquei duma colher, tirei o papel dourado e olhei aquele pequeno pedaço de céu durante alguns segundos. Poucos. Depois, voltei a sentir aquela textura única e senti que valeu imenso a pena esperar.

Nutella, nutella, nutella. A nutella dá mesmo cabo de mim. Até dia 25 à noite, este creme de avelãs do demo permanecerá na minha vida e eu serei uma mulher profundamente feliz. Depois disso, voltaremos apenas encontrar-nos no Natal de 2015. Os meus natais ganharam toda uma nova razão de existir. Nutella.

nutella24n-3-web

Luz

perna fina

Os últimos dias foram particularmente difíceis. Ainda não me senti completamente bem. Não consegui voltar ao CrossFit. Senti-me exausta. Depois, recebi esta fotografia no email, olhei para mim e vi-me cheia de luz. Esta vida que é a minha, que às vezes considero madrasta, tem-me feito lindamente. E, apesar de todas as merdas que me aconteceram este ano, talvez estes tenham sido os melhores 365 dias da minha vida.

(Obrigada, querida Isabel Saldanha. Não tenho palavras.)