As férias são uma catástrofe. Não há horários. Não há disciplina. Não há regras. As férias são uma verdadeira catástrofe. Se durante o resto do ano ainda me consigo controlar minimamente, quando me apanho com ordem de soltura é o fim do mundo em cuecas.

Gelados? São aos dois por dia. Bolas de Berlim? O senhor não ia passar por mim em vão, não é!? Pão com manteiga e petiscos? Como assim, ia negar? E pimbas, é o que se vê: não há calças que me sirvam, não sei o que vou vestir para voltar ao trabalho.

Já imagino o que vou sofrer, uma sala cheia de miúdos, com um calor insuportável e eu de calças apertadíssimas. É o fim! Mas quem me mandou comer que nem uma pequena lontra, quem foi? Quem me mandou quebrar a dieta? Quando a cabeça não tem juízo…

Mas agora começou setembro e eu vou mudar. Vou mudar à séria: acabou-se o pão, o arroz, a massa, as batatas, as tostas. Acabaram-se os refrigerantes, os bolinhos e as sobremesas. Aliás, acabou-se tudo o que implica comer. Fome. Eu preciso é de passar fome!

Grelhados e cozidos. Zero hidratos. Nem fruta vou comer, só para dar aqui um abanão ao meu corpo. Talvez até experimente um daqueles planos detox… Até ao Natal perco os quilos das férias e os outros todos que já tinha de perder. Agora é que é! Sim, sim!

Se conseguir perder 5 quilos por mês, são 20 quilos até ao Natal. É isso! Depois, no Natal, lá me encharco de coisas boas. Não hei-de ganhar 20 quilos em duas semanas. Bem, vamos a isto, que eu tenho de recuperar das férias. Ai, as férias deram mesmo cabo de mim!

*

*

*

Este seria o meu estado há uns anos. Provavelmente, começaria uma nova dieta, muito restritiva, que acabaria por falhar algumas semanas após o seu início. Hoje, não só sinto que as férias não deram cabo de mim, como tenho a tranquilidade de voltar à rotina, sem extremismos.

O que nos faz perder peso, sem o voltar a ganhar, é a consistência. O trabalho de todos os dias, de alimentação equilibrada e de treino regular. Sou pelo fim das dietas. Sou pelas férias livres, mas com cabeça. Sou pelo caminho longo, nunca pelos atalhos. Sou pelo cuidado com que trato de mim. Todos os dias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *