Santo António, Santo Antoninho,
Não aches que por ser o teu dia, eu descanso.
Estou pronta, sem vacilar,
Em direção a mais um wodzinho.

Wodzinho? Não. Wodzão!
Que este corpinho não quer saber se é feriado ou deixa de ser.
Agachar é sempre preciso,
Porque esta bunda tem de continuar a crescer.

Por isso, Santo António querido,
Não aches que ando aqui a brincar.
Mesmo que nunca tenhas sido meu amigo,
Eu não paro de me esforçar.

Um dia, quem sabe, olhes para mim com outros olhos.
Olhes e digas: que rica moça ali está.
Vou acelerar-lhe a chegada do príncipe
E casá-la já.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *