O maior perigo que eu podia correr neste momento, não era engordar tudo outra vez. Isso seria uma tragédia, mas eu iria parar a um lugar conhecido, de onde saberia sair, mesmo que me custasse muito. A maior desgraça que me podia acontecer, seria passar para o lado oposto daquele em que vivi. Sim, é disso mesmo que estou a falar. De distúrbios alimentares contrários à compulsão alimentar. O pior que me podia acontecer era querer deixar de comer, para ficar cada vez mais magra, como se a minha magreza nunca fosse suficiente. Eu tenho pensado muito sobre este tema. Porquê? Porque isto é aliciante. Ser magra sempre foi o que quis. As pessoas que me querem bem já tocaram neste assunto. Porque têm medo que não saiba parar. Porque têm receio que o meu entusiasmo me tolde o discernimento e a razão. Por mim eu fazia pause agora. Ficava assim como estou até ao fim dos meus dias. Nem mais, nem menos. Magra ou gorda. Forte ou fraca. Definida ou mole. Ficava assim. Como não há esse botão nas opções, só me resta seguir e dançar ao som deste play, sabendo que se o meu estilo de vida não se alterar, no que a alimentação e treino diz respeito, continuarei a estar como estou. E está ótimo assim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *