Hoje recebi esta mensagem: que nunca saias do lugar em que estás. Quem ma mandou sabe exatamente o que significa viver com um distúrbio alimentar. Passa pelo mesmo. Porque sabe como é, não acha que eu esteja a ser extremista, nem fundamentalista, nem obcecada. Sabe que o lado de lá é demasiado duro, demasiado penoso, demasiado sofrido. Por isso me mandou aquela mensagem. Que nunca saias do lugar em que estás. Porque este lugar, onde estou agora, é o lugar da liberdade. É um lugar onde não há culpa, não há remorso. Não há ressaca. É o sítio onde, pela primeira vez, me sinto ser quem sempre desejei. Magra, é certo, mas sobretudo em paz: com o meu corpo e com a minha cabeça. E com o meu coração também. Eu não quero sair daqui. Farei de tudo para que isso não aconteça. Não sei o dia de amanhã, mas não o receio. Se isto um dia voltar para trás, e eu tiver de começar tudo outra vez… Bolas, não consigo imaginar. Sei que é aqui que quero estar. Sei que sou mais feliz aqui. Sei que comecei a escrever este blogue também por isto: pela empatia. Pelo saber ser. E crescer [sozinha e com outros].

1 Comment on Que nunca saias do lugar em que estás!

  1. “Se isto um dia voltar para trás, e eu tiver de começar tudo outra vez… Bolas, não consigo imaginar.”

    Eu consigo. Imagino isso todos os dias! Quem me dera… Mais carnufa para amar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *