Escrevi, um dia, sobre o autoboicote. Escrevi e voltaria a escrever cada palavra (à exceção do Snickers, claro está)! O autobocoite, as desculpas que arranjamos para não comer bem, para não treinar, são mais de muitas. Eu conheço-as a todas e usei-as milhares de vezes. Este foi um processo que me levou anos. Parar de comer às escondidas, parar de me enganar, parar de dizer que era só mais uma vez. Parar.

Hoje acho que já não me boicoto. Acho não, tenho a certezinha absoluta. A luta agora é outra: é não deixar que me boicotem. As pessoas lidam mal com a mudança. Quando se habituam a ver-nos de uma maneira, normalmente uma maneira mais contida, custa-lhes a aceitar-nos de outra. Por isso, envergam a bandeira do boicote. E toca de investir num desencorajamento sem fim.

Às vezes é de forma inconsciente, não digo que não, mas as pessoas, de um modo geral, adoram ver até onde vai a nossa obstinação. Morrem por testar o ponto pelo qual vergaremos. Tenho sentido muito isso. Tenho sentido isso todos os dias, aliás. E, confesso, já me chateou mais. Agora é só ruído. Agora é só mais uma quase queda, um quase desconforto, um quase desgosto.

Porque há uma coisa que eu aprendi, e não me importo nada que me apelidem de egoísta: as minhas decisões têm de ser boas, em primeiro lugar, para mim. Porque foi por não me pôr em primeiro lugar, e por ter querido sempre agradar à opinião dos outros, que deixei que o meu amor-próprio se arrastasse na lama.

Não quero dizer com isto que para se perder peso, mudar de vida e se ser bem sucedido numa série de coisas se deva pisar alguém, nada disso. Só digo que se tomamos uma decisão a devemos assumir, aceitando que haverá quem não concorde, sabendo que haverá quem tente dissuadir-nos. Nem sempre é por mal, que fazem isso. Às vezes é só medo. Medo alheio. O medo também é uma escolha. Não a minha. Não mais.

3 Comments on Boicote

  1. Quando pesei menos 30kg do que peso agora sentia exatamente o que estás a dizer. Na altura tinha um blog e escrevi isto: https://builtonselfsuccess.wordpress.com/2014/02/20/diferente/
    Ouvi tantas vezes o comentário “tenho saudades de quando eras gorda” que fui gradualmente (ao inicio) deixando de cuidar de mim porque talvez as pessoas gostassem mais de mim. Estava enganada. Tão enganada!
    Acompanho o teu blog para me motivar a voltar a ser melhor, e agradeço-te a partilha e exposição que fazes da tua jornada.
    Nunca deixes que o boicote dos outros vença.
    Beijinhos

  2. Como te percebo… estou numa fase de mudança, não de peso, mas do meu eu interior, e o teu testemunho veio na hora certa… continua assim…
    Bjs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *