Eu não gosto de extremismos em nada. Não adoro o cinzento, prefiro o preto ou o branco, mas há posições com as quais não me identifico em absoluto. Por isso, não ergo a bandeira do feminismo. Porque há coisas que me parecem exageradas. Ou algumas vozes, talvez seja mais isso. Algumas vozes.

Mas se há coisa que eu odeio, é haver mulheres que atiram abaixo outras mulheres. Que acham que as outras são todas umas cabras, umas invejosas, umas ressabiadas. Algumas são, nem todas, e este discurso a favor dos homens, vindo de mulheres transtorna-me. Vindo dos homens também, como é óbvio. Não suporto machistas.

Serve esta conversa toda para quê? Para chegar a uma expressão que eu odeio de morte: uma mulher com tomates ou aquela mulher tem uns grandes tomates ou que mulher de tomates. Esta merda desassossega-me a alma. Dá cabo de mim. Causa-me uma coceira sem precedentes.

Como se uma caraterística puramente masculina engrandecesse alguém. Como se fosse o surgimento de tomates, a razão para uma mulher enfrentar o que quer que seja. Como se as mulheres pudessem ser, ou deixar de ser, o que quisessem, por terem, ou não, aqueles dois saquinhos ali pendurados.

E eu não sei se mais alguém se encanita com isto, talvez seja só uma parvoíce minha, mas eu acho que não. Acho que está na altura, de uma vez por todas, de usarmos, também, carateríticas femininas como forma de engrandecimento. Assim de repente, surgem-me mamas. Sim, mamas! Essa peculiaridade tão feminina, tão apreciada por toda a gente.

Sim, porque toda a gente gosta de mamas: seja porque as deseja ter ou ver de perto, homens e mulheres. Mamas são mamas, minha gente. Não há quem não as aprecie. Ora, desta feita, por que não passarmos a dizer: uma mulher com mamas ou aquela mulher tem umas grandes mamas ou que mulher de mamas?

Não no sentido bardajão da coisa. Antes com o intuito de engrandecer aquela mulher por ser mulher, dentro daquilo que é expectável ter no seu corpo (que não é certamente um par de tomates). Porque acho que o machismo continua a existir em pequenas coisas, como nesta expressão tonta.

Porque já não faz sentido haver estas diferenças entre homens e mulheres. Faz cada vez menos sentido. Um homem com tomates e uma mulher com mamas, ambos capazes de feitos heróicos. Ambos capazes de serem aquilo que quiserem, independentemente do género ou das miudezas que trazem penduradas no corpo.

1 Comment on Mulheres com Mamas, se faz favor!

  1. “Para chegar a uma expressão que eu odeio de morte: uma mulher com tomates” (…) Causa-me uma coceira sem precedentes.”

    Coceira onde? Nos tomates? =P

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *