Mês: outubro 2017

Carta aberta às Boazonas do Instagram

Olá, Boazonas do Instagram, como estão?

Eu estou bem, obrigada, não fiquem apoquentadas a achar que me vou pôr p’raqui a lamentar a minha vida, nada disso. Mas bom, calculo que estejam melhor que eu, não é verdade?

Até porque estão sempre em altas, estou certa? Sempre alegres, sempre bem vestidas, sempre bem maquilhadas, sempre a comer (pouquíssimo) em sítios super in.

Convosco não há TPM, não há dias em que o cabelo pareça um ninho de ratos, não há mau humor, não há celulite, estrias, não há falta de dinheiro, não há dias de trabalho de 12 horas. Não há.

São assim: comem bem a todas as refeições, treinam muito, maquilham-se com as melhores marcas, usam as jóias mais brilhantes, têm os namorados mais gatos.

Ótimo, Boazonas do Instagram, ótimo! Fico muito feliz por todas, enquanto choro em posição fetal as dores que tenho nos rins, dada a altura do mês.

Porque eu não sei se sabem, mas as pessoas comuns padecem de cenas chatas, têm problemas para resolver e nem tudo se resume a um filtro.

Era só isto. Alguém tinha de vos dar a saber a realidade. Se um dia se dignarem a descer até aqui, venham tranquilas. Parece difícil, mas até se leva.

Aqui come-se, dança-se, chora-se, abraça-se, bebe-se, treina-se, têm-se uns desgostos, procuram-se outros, vive-se. É fixe, acreditem.

Ou então não venham, que nos ajudam a sonhar. Esse vossos rabos em forma de emoji de pêssego são uma grande ambição na minha vida. Tinha dois, se pudesse. Continuem a exibi-lo, por favor!

Vá, um grande beijo nessa bochecha cheia de makeup,
Joana.

Deus me perdoe se nisto peco #2

Deus me perdoe se nisto peco, mas eu pelo-me por uma francesinha. Tudo aquilo é merdum, eu sei, mas só de imaginar aquele pão com carne e enchidos, a escorrer queijo e molho, a minha boca lateja. E eu gosto daquilo mesmo picante, mesmo ao ponto de queimar a língua. Prefiro a salsicha de lata, à fresca. Gosto do bife médio, fino e tenro. Normalmente, como sem ovo, mas percebo que esta minha opção choque os mais puros devotos desta iguaria. Hoje comi uma e estou aqui toda consoladinha. Deus me perdoe. Ele já perdoou.

Ainda bem que já não tenho balança!

Ainda bem mesmo, que sabem lá o que eu enfardei nestes dias que fiquei a cortar os pulsos em casa. Sabem lá! Por isso, ainda bem que já não tenho balança. É que amanhã vai cair-me a ficha e era menina para me passar a pesar de manhã e à noite. Era era. E era menina para ter engordado assim um quilinho, para desdizer a minha vida e começar a passar uma fome de cão durante dias, para depois voltar a devorar tudo outra vez, no fim de semana. Eu era assim, mas já não sou. Comi, está comido. Isso é um assunto arrumado na minha cabeça. Comi porque estive em casa a passar-me. Era razão para isso? Não era, mas foi. Por isso, agora, é tempo de voltar à minha comida de todos os dias, aos treinos (ainda só com um pé) e à esperança de que tudo volte ao normal, sabendo que os próximos dias serão de ressaca alimentar. Azar o meu. Ninguém disse que isto era fácil, ninguém disse, mas também, quem diz que é impossível está a mentir.

Dizem que… #2

Dizem que o Crossfit é perigoso. Estão sempre a dizer-me isso e eu já não os posso ouvir. Aliás, já perdi a conta da quantidade de vezes que me disseram que torci o pé por causa do Crossfit. Efetivamente, eu estava dentro da box, mas eu torci o pé porque caí da bicicleta, ou seja, não torci o pé a fazer nenhum movimento típico de Crossfit. Até podia ter sido, mas não foi. Porque os pés se torcem em variadíssimas situações, que fogem a este demónio que é o Crossfit: num passeio com pedras irregulares, a descer escadas, com saltos, a descer do carro, a pendurar um quadro em casa, a dançar, a correr, a dar beijinhos na boca, a estender a roupa, a sei lá. Só sei que não vale a pena pôr as culpas todas das coisas más da vida nesta modalidade, porque isso é só estúpido. A acontecer o fim do mundo, a culpa será do Crossfit? Tenham juízo e, a menos que já lá tenham ido bater com os costados, guardem a vossa opinião dentro da boca. Ou engulam-na, que vão ver a azia com que ficam. E não é porque o Crossfit faz mal. É porque o vosso julgamento, sem conhecimento de causa, é absolutamente indigesto.