Alerta, alerta, segue o presente texto para vos ajudar a pensar sobre um princípio fundamental se pretendem perder peso. Este princípio não assenta nem nenhuma dieta, em num regime alimentar. Está antes diretamente relacionado com o comportamento alimentar que mantemos ao longo do tempo, durante a vida.

Deixem-me falar-vos de mim, para variar! Eu sou uma pessoa sofrêga. Sou assim. Gosto muito. Faço muito. Quero muito. Intensamente. Para mim, quando é, é. Em quase tudo na vida. Com a comida não era exceção. Por isso, se comia uma bolacha, pronto, comia o resto do pacote. Se comia batatas fritas à refeição, não negava a musse de chocolate no final. E por aí fora.

Perdida por 100, perdida por 1000! Dizia eu, tantas, tantas vezes. Este foi um dos aspetos que mais trabalhei nas consultas de reeducação alimentar, com a Dr.ª Catarina. Não tem mal comer uma goma, se quiser muito, muito. Agora, comer um saco delas… Mas isto levou muito tempo a entrar-me na cabeça. Nesta minha forma de viver, quente ou fria, branca ou preta.

Ultimamente, há uns bons meses já, tenho notado muitas diferenças neste pormenor do meu comportamento alimentar. Se quiser muito uma piza, não vou comer sobremesa, se quiser muito a sobremesa, como o hambúrguer sem pão e sem as batatas, por exemplo. O que tenho sentido, é que este autocontrolo me tem ajudado muito.

Essa ajuda tem-se refletido na minha cabeça e de forma muito significativa. Não falo de peso porque deixei de me pesar há bastante tempo. Deitei a balança fora, inclusivamente (mas isso dá outro texto!) Falo de cabeça e de coração. Falo na capacidade que tenho de equilibrar o que como, sem sofrer com isso. Falo de viver feliz com a alimentação que levo, sem sacrifício.

Perdida por 100, não é perdida por 1000: na mesma refeição, no mesmo dia, na mesma semana, no mesmo mês, no mesmo ano. Perdida por 100, é perdida por 100. Não por 101, não por 102. Por 100! Por isso, a próxima vez que acharem que se estão a perder, percam-se de forma contida. Nada vale mais a pena do que nos encontrarmos todos os dias [um bocadinho mais].

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *