Pais que enchem os filhos de merdum! Por merdum entenda-se tudo o que há de bolos, bolachas, gomas, doces, cereais, iogurtes cheios de cenas, pães de leite, pão de forma, leite com chocolate, refrigerantes e aperitivos de todo o género. Há 10 anos, até mais, não se falava tanto de alimentação como se fala hoje. Beber iced tea era beber um cházinho. Comer cereais era uma cena boa, metia leite e tudo. Hoje sabe-se que todos esses “alimentos” estão carregadinhos de merdas, que dão cabo da nossa saúde, que nos engordam, que nos viciam, que não nos saciam, que confundem as nossas células, que as destroem. Hoje em dia toda a gente sabe isto, mas há quem insista em encharcar os miúdos com porcarias destas. Eu acho que é uma espécie de negligência, que se devia fazer qualquer coisa a respeito. Os pediatras, por exemplo, podiam questionar as famílias sobre a alimentação que proporcionam aos filhos. E não me venham dizer que é uma questão dinheiro: a quantia que gastam em tudo o que compram nos pacotes, dava para comprar montes de ovos, atum, frango, batata doce, alface, brócolos… Há crianças que, pura e simplesmente, não comem certos alimentos por nunca ninguém lhos deu provar. Porque estes hábitos cultivam-se, estimulam-se, tratam-se. Também não é preciso ser extremista e não deixar os miúdos comerem nada, mas tem de haver limites. Devia haver.

4 Comments on Coisas que me tiram do sério #9

  1. Os pediatras até podem questionar, mas enquanto não se educar os pais, é muito difícil. “Porque o menino fica com fome, porque o menino gosta…”
    Assiti uma vez numa superfície comercial, um menino que devia ter cerca de 10 anos, com IMC claramente no nível de obesidade, acompanhado pela mae e avó, também com excesso de peso, a comer um hambúrguer, o famoso happy meal, no fim, comeu uma fatia de brigadeiro, e a mãe, remata assim: “Vou ter que te começar a comprar hambúrgueres maiores, esse já é pequeno para ti”.

  2. A minha filha come o que a Pediatra manda, tem 3 anos e 12.6kg, mas em festas e ao sábado os doces estão liberados (ao sábado só 1) É importante conhecer de tudo e não descobrir em plena pré-adolescência que há alimentos que viciam…

  3. Concordo plenamente. tenho um filho com 4 anos. Não sou extremista e não há alimento proibido, mas cultivo uma alimentação saudável (pais e filhos). Ele está totalmente habituado a comer bolos sem gorduras e açúcares adicionado. Ama de paixão salmão grelhado e bróculos cozidos. Não aprecia hamburgueres nem pizza. Se lhe perguntar que topping quer na sua panqueca fit, embora haja nutella, pede banana nozes e sementes. Tudo se cultiva. Mas mesmo assim deixo-o comer chocolates, gomas, etc. Porque são a excepção e não a regra

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *