Não adoro aqueles discursos fundamentalistas de que as mulheres são mais que isto ou aquilo. Não adoro, porque a igualdade de direitos e de deveres não deve ser mais. Porque isso é o que já existe, mas para os homens. Nós, as mulheres, temos montes de coisas boas, como os homens também têm. Por isso, não podemos nunca, em situação nenhuma, ser menos do que eles são: nas empresas, nos ordenados, na sociedade, na vida, no mundo.

Infelizmente, continua a ser necessário falar-se da igualdade de direitos entre géneros e isso é triste. Diminuir alguém por ser mulher é lamentável em qualquer situação, mas há casos gravíssimos a que o mundo devia estar mais atento, que me incomodam muito, que mexem comigo como pessoa e como mulher.

Aqui não falo de mulheres que não têm acesso a um cargo de chefia numa multinacional, por serem mulheres, o que é absolutamente tonto e inadmissível, falo antes de mulheres que são apedrejadas até à morte por se separarem do marido que as violentava, por exemplo. Ou que são espancadas em praça pública por darem de mamar aos filhos à frente de outro homem que não o seu marido, como ato de desrespeito.

Há mulheres a serem vendidas, usadas, violadas, separadas dos seus filhos. Mulheres que ficam completamente vulneráveis, à mercê dos homens que as rodeiam, que fazem o que querem delas, cegos à sua condição de ser que sofre, que tem dor, que tem alma. Mulheres, que às vezes ainda são meninas, cujas vidas são tudo menos o que um ser merece.

Eu não sei muito bem o que se pode fazer, na prática, para ajudar estas pessoas. Há toda uma parte cultural, muito forte, que faz com que sempre tivesse sido assim, como se fosse normal. Mas não é. Não pode ser. Tem de haver alguma solução. Queria acreditar que existe, queria perceber como agir.

Neste Dia Internacional da Mulher, gostava de poder adormecer, sabendo que pelo mundo fora só existem mulheres que são respeitadas, valorizadas, tratadas de igual para igual. Sem recurso à violência, sem recurso à ofensa. Pensando nos casos menos extremos, mas não menos importantes, desejava que todas nós nos soubéssemos valorizar, lutando por aquilo que queremos e cremos, com direitos e deveres iguais.

[Feliz Dia Internacional da Mulher]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *