Durante anos detestei a minha vida, o meu corpo, a pessoa que eu era. Fui muito ingrata. Porque, apesar de poder não adorar alguns aspetos da minha existência de então, não houve, nunca, razão para não ser grata. Hoje vivo a minha vida de uma forma diferente. Vejo mais facilmente o copo meio cheio. Sou mais otimista. Mais tranquila nas vivências e decisões de todos os dias. Sou profundamente grata. Grata por ter uma família que me apoia muito. Grata por ter amigos bons. Grata por ter a profissão mais bonita do mundo. Grata por ter o amor incondicional dos meus alunos. Grata por ser uma mulher livre, que não vive subjugada a leis que oprimem, diminuem e magoam. Grata por poder treinar todos os dias (menos hoje, que o meu ombro não deixou). Grata por continuar a conhecer pessoas boas. Grata por ter começado este blogue, que é como um filho virtual, de quem eu cuido com tanto carinho. Grata por ter a persistência necessária para cuidar de mim, finalmente, da forma que eu quero e mereço. Grata por mais uma série de coisas tão, tão boas. Muito grata mesmo.

1 Comment on Dia Mundial da Gratidão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *