image

Vamos falar sobre um assunto estruturante na minha vida? Piolhos. Sim, leram bem: piolhos. Lembro-me de em miúda estar de cabeça no lavatório a ser catada pela minha mãe e a odiar aquela posição desconfortável, sem falar nos puxões dos fios de cabelo, e de ver os bichos nojentos a cair na louça branca. Parte da minha infância foi isto. Lembro-me, também, da minha mãe dizer para eu brincar com os meninos que tinham piolhos. Numa de pessoa altruísta. Isto porque havia mães que não deixavam os seus filhos brincar com miúdos que tivessem piolhos. Já a minha não: brinca filha, brinca com os piolhosos e sê piolhosa também. Era basicamente isto. Depois cresci e decidi que queria ser professora de miúdos pequenos. Foi quase como se escolhesse que os piolhos ficassem para sempre na minha vida. Foi o que aconteceu. Não há ano que não apanhe um piolhito ou dois. Ou três. Ou uma carradona deles. Complica-me a vida o facto de eu ter uma espécie de juba, onde os filhos da mãe parecem adorar viver, mas bom, há maleitas piores. Digo eu com os nervos e com a cabeça cheia de PARANIX, enquanto escrevo as últimas palavras deste texto. Vou só ali catar-me, volto num ai.

3 Comments on Piolhos!

  1. Identifiquei-me totalmente com o teu texto. Como eu sei bem do que falas, também a mim desde pequena e agora que estou no meio de gente pequena me acontece. Não estás sozinha nessa luta… Beijocas e um bom ano letivo sem muita bicharada?

  2. Paranix loção de prevenção. Tem duração de 6 meses é infalível mesmo que apanhe eles não se agarram e não poem ovos. A parte desconfortavel é ter a loção na cabeça dois dias sem poder lavar cabelo, que parece ter sido lambido por uma vaca. A única maneira que arranjei de sobreviver ao primeiro ciclo da pequenada. Boa sorte ?

Deixe uma resposta para Ana Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *