Há dias em que se me dão umas fomes, que Deus Nosso Senhor me livre. São umas fomes que me invadem o espírito, que me viram do avesso. São umas fomes que vêm cá dos interiores, que me corroem por dentro. Hoje está a ser um desses dias. Eu estou com umas fomes que nem vejo. E não são umas fomes quaisquer: pusessem-me aqui um pratinho de sopa de espinafres a ver se eu me fazia ao piso. Não, não. São fomes de coisas boas, tão boas que são más: chocolates, bolos, aperitivos de queijo, sushi, nutella com morangos, nutella com crepes, nutella com nutella. Está-se mesmo a ver o género, não está? E eu podia dizer que são as hormonas, que o Benfica está quase a jogar (E A GANHAR!) em casa. Podia dizer que a primavera ainda não veio e que no lugar dela chegou uma chuva de fugir. Podia dizer que são as tristezas da vida, mas, porra, eu sou uma sortuda. Por isso, posso apenas dizer que o meu maior pecado é a gula. A Gula, essa bicha malvada que habita todo o meu ser e me faz ficar à beira da loucura sempre que não lhe faço as vontades. Hoje a desgraçada da bicha está quase indomável. Mas eu dou conta dela, oh se dou, que a filha da mãe não há-de ser mais forte que a Vaidade que terei em me passear na praia, enfiadinha num biquíni reduzido cheio de penduricalhos.

1 Comment on Há dias

  1. Conheço tão bem essa bicha malvada… Degladio-me com ela quase diariamente 🙁 Mas tenho de ser forte, ora essa! Se não for eu a lutar por mim, quem será! Tenho de resistir!! Custa, ah se custa…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *