O bom e o mau. Nada é para sempre. O que é bom passa depressa. O que é mau nem sempre dura. É assim e há muito pouco a fazer em relação a este estado de ser efémero. E por nada ser para sempre é que não podemos achar que tudo continuará a ser como é. Ou como foi um dia.

Eu era gorda. Já não sou. Mas posso voltar a ser. Vou tentar que isso não aconteça, mas sei lá! Eu tinha uma relação infeliz. Saí dela. Fiquei melhor sozinha. Até quando? O que hoje é verdade, amanhã pode ser memória. É precisamente isso que nos dá um sem número de escolhas. Resta-nos escolher, mudar, ser mais e melhor, tentando que essa existência boa perdure. Sobra-nos, apenas, perceber o que queremos para nós, todos os dias, a cada dia e fazer com que as coisas aconteçam.

Isto a propósito das mensagens que recebo, que começam ou terminam com um “quem me dera ser como tu e ter essa força de vontade”. Eu nem sempre quis isto. Eu nem sempre fui forte. Eu nem sempre me desafiei. Mas houve um dia em que quis mudar. É a atitude desse dia que, todos os dias, eu continuo a fazer com que pareça para sempre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *