Podia falar do quanto a minha vida mudou nestes dois anos. Podia dizer quantos quilos perdi, quantos centímetros estreitei. Podia contar como a minha vida é mais feliz agora. Como me sinto mais realizada, mais mulher, mais bonita, mais capaz de tudo o quiser fazer ou ser. Podia, mas prefiro escrever para todos aqueles que acham que a sua vida será, para sempre, o que é ao dia de hoje. Porque eu achei que a minha seria diferente do que é. Juro.

Recebo muitas mensagens e comentários a elogiar a minha força de vontade e o meu novo corpo. Pessoas que me escrevem, dizendo que gostavam de ser como eu. Isso enternece-me. Muito. Porque eu sou assim há tão pouco tempo. Eu nunca vesti um biquini na adolescência. Na verdade, passei verões sem pôr o pé na praia. Eu nunca usei o umbigo de fora. Eu entrei e saí de lojas, com as minhas amigas, de mãos a abanar, por não haver o que me ficasse bem. Eu fui a gorda. A miúda simpática e extrovertida, que fez tudo o que esperavam dela.

Eu fui sempre tão certinha. A sério que fui. E tão boa atriz também. Como se pusesse uma carapaça sempre que estava com os outros. Sozinha, comigo, a história era diferente. Eu tive muitos complexos, muitas inseguranças, muita vontade de mudar, sem saber como. Para a minha família eu tinha de fazer dieta e pronto. Tinha de ter força de vontade. Onde é que ela andava, meu Deus? Para os meus amigos eu era a gulosa, que sabia sempre das novidades de doces no mercado. Aquela que já tinha provado tudo. Era tema de brincadeira, até.

Eu vivi nisto. Todos os dias. Prometendo, à noite, ao deitar-me, que no dia seguinte não ia comer nada que me fizesse mal. Falhando, todos os dias, achando que era apenas uma valente merda. Incapaz. Um desamor aumentou o problema. Fez-me comer como nunca. Fez-me odiar-me ainda mais. Sentir-me mais feia e desajeitada. Comi, muitas vezes às escondidas, para compensar. Para sentir. Para me desculpar da falta amor próprio e da insuficiente coragem de dar o salto. De renascer. Ou de nascer pela primeira vez.

A mudança não se deu num dia em específico. Foi acontecendo. Eu fui-me sentido nascer a cada boa decisão que tomei. Frequentar as consultas de reeducação alimentar. Começar a treinar. Parar de me lamentar. Chorar menos vezes. Deixar de ter pena de mim. Agir mais. Fazer acontecer. Levantar a cabeça. Seguir em frente, mesmo quando doeu. Voltar a cair. Aceitar. Continuar o caminho. Estar com quem me queria bem. Ser feliz. Perder peso. Mudar de vida. Num processo sem retrocesso, porque já não quis voltar atrás.

Este blogue sou eu. Com todas as conquistas, com todos os defeitos. Creio-o autêntico. Este blogue é para mim. Para que possa ler a minha evolução. É para a minha família e para os meus amigos, que me amam incondicionalmente e que, às vezes, ainda se espantam com as mudanças que trouxe para a minha vida. Que me criticam, me amando. Este blogue é para todos aqueles que acham que é impossível assumir o controlo da sua vida. Seja por que razão for. Eu sou a prova de que é possível. Agora já não importa quantas vezes desisti. Importa, apenas, que numa dessas vezes eu continuei. Até hoje. Até querer. Quero para sempre.

image
image
image

image
image

Parabéns a mim e a todos os que estão comigo de forma honesta. Sou feliz. Obrigada.

8 Comments on Dois anos de Perna Fina

  1. Olá Joana e muitos parabéns 😀
    Eu vou ser como tu: um dia olhar para trás, ver a minha evolução e orgulhar-me de mim mesma.
    Sempre fui gorda. A minha mãe só me queria de dieta, o que levava a certas discussões e muita tristeza, os meus amigos comiam comigo e tratavam-me por igual, mas na verdade eu é que era a gorda.
    Ao contrario de meio mundo, com um desgosto de amor perdi peso, bastante até. Foram 17kg em lágrimas e noites mal dormidas, e rapidamente (cerca de 4 meses) de 90kg eu passei para 73kg.
    Confesso que, depois de passar a tempestade, me sentia mais bonita, mais confiante, mais mulher.
    Na praia, apenas com os amigos mais próximos, os biquínis começaram a surgir de vez em quando.
    Voltei a apaixonar-me, a amar e a engordar.
    A Felicidade trouxe-me gordura e a tristeza leva-a?! Oh que sina a minha: tenho que ser triste para ser magra xD
    Fora de brincadeiras, em Junho decidi voltar a cuidar de mim e procurei uma nutricionista.
    Fui totalmente descredibilizada por todos os que me rodeiam porque já foram imensas as dietas que fiz para desistir a meio, mas eu consegui. Perdi 10 kg até agora, fugi outra vez dos 90kg, passei para os 80kg, descobri que tenho mais retenção de líquidos do que gordura! Afinal não sou gorda, sou liquida! O ginásio tem sido o maior problema. As desculpas que dou a mim mesma e aos outros são constantes, bem como as tentativas para me vencer a mim própria.
    Há cerca de um mês parei com as consultas. Sentia-me cansada e sem forças, tal como acontecera nas outras vezes.
    Decidi parar e tentar comer de forma saudável na mesma, mas sem aquela obrigatoriedade, antes que durante um devaneio comesse tudo o que me aparecesse à frente. E tem resultado!
    Não me voltei a pesar, nem a medir, mas a roupa nova que comprei ainda me serve toda! E eu sinto-me bem por isso.
    Arranjei uma forma de lidar com a dieta, que iniciarei depois das minhas férias, no dia 18 de Janeiro!
    Agora, ao invés de pensar fogo ainda me faltam 10 kg para o objectivo, como o outrora, o meu pensamento é :
    ” 10 kg já foram, não vou desperdiçá-los! Já vou a meio caramba! Está quase! Custou? Nem por isso! Então só falta metade!”

    Tal como tu descreves, sinto que também eu mudei.
    Este natal fiquei surpreendida com o facto de ter provado todos os doces que me apeteciam, mas de não os ter atacado como se não houvesse amanhã, tal como era habitual.
    Eu sou muito mais feliz!
    Mas, e há sempre um mas, tenho um grande problema: o ginásio.

    Achas que me podes ajudar com isso?

    Obrigado pelas tuas partilhas!

    Beijinhos

  2. Parabéns, minha Perna (cada vez mais) Fina! “É para a minha família e para os meus amigos, que me amam incondicionalmente e que, às vezes, ainda se espantam com as mudanças que trouxe para a minha vida. Que me criticam, me amando.” ❤️❤️❤️

  3. Estás gira, pá!!

    Lembrei-me de ti por estes dias… Se calhar já conheces, mas andei feita “criancinha em loja de doces” numa loja que descobri em Londres: a Whole Foods! É só comida da BOA, da saudável! Quero, quero muito, uma sucursal daquilo no Chiado!

    Um beijinho grande, rapariga!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *