Quem disser que os tem bonitos, mente. Os joelhos são uma parte do corpo mesmo feia e com pouquíssima graça. E, a partir duma certa idade, há peles por todo lado, a força da gravidade começa a fazer o seu trabalho sujo e tudo piora um pouco mais. Eu nunca pude falar muito sobre os meus, porque nada mais eram que duas pequenas grandes bolas de chicha e, por isso, limitava-me a esquecer-me que existiam. No outro dia, com a perna cruzada, notei uma saliência nunca antes por mim vista, naquela parte do meu corpo. Os meus joelhos, ou melhor, as minhas rótulas, nasceram finalmente em mim, 29 anos depois desta minha humilde existência no mundo. Pobrezinhas, toda uma vida cobertas por um manto de gordura, podem, agora, ser finalmente livres e gritar presente. E é vê-las contentes, de fora, e eu também contente, por elas. Por mim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *