Querido Corpo, ando para te escrever há algum tempo, mas acho que andei a pensar nas palavras certas a usar. E a primeira tem de ser desculpa. Desculpa por te ter tratado mal durante tanto tempo. Desculpa por te ter sujeitado a um sem número de dietas, seguidas da ingestão de quantidades astronómicas de comida. Desculpa. Desculpa também por te ter odiado tanto. Por te desdizer todos os dias, por não te valorizar, por ter demorado anos a explorar todo o teu potencial. Como tens mostrado, sempre tiveste tanto para dar.

Lamento, também, todo o descanso que te dei. Se eu te tivesse começado a mexer mais cedo, a história tinha sido outra. Mas julgo que agora não tens do que te queixar. É com cada tareia que levas naquela box. Andas todo partidinho, não andas? Admite lá. Mas bom, verdade seja dita, tens-te aguentado como um herói. Dores musculares à parte, e uma ou outra chatice, e é ver-te feliz e contente a caminhar em direção a mais um treino. Quem te viu e quem te vê. Até eu, que vivo em ti há 29 anos, não deixo de me surpreender.

Desculpas e lamentações passadas, e juro que são todos sentimentos verdadeiros, resta-me ainda agradecer-te. Agradecer-te por colaborares comigo, mesmo depois de tantas asneiras que te fiz. Obrigada por teres participado tão bem nisto de perder peso. Tens sido um amor. Obrigada por estares cada vez mais delgadinho e por assentares cada vez melhor nos trapinhos que compro. Tens-me ajudado tanto. Ai, querido Corpo, querido Corpo. Tu sabes lá.

No entanto, há ainda alguns pormenores que precisamos de discutir. Tens algum plano para a celulite? Eu tenho bebido água e agachado como se não houvesse amanhã, mas tu (quase) nada. Acho que esse é um aspeto em que tens de melhorar, ok? Nisso e na definição dos abdominais. Eu sei, eu sei, que tenho de bater mais com os costados no chão, e vou fazê-lo, mas tu não te demitas disto também, combinado?

Por último, querido Corpo, coisa mais linda, não me peças doces, nem fritos. Não peças mesmo. Eu sei que às vezes vacilamos nisso juntos, mas se tu me ajudares a pensar noutras coisas, talvez seja mais fácil para ambos. O que é que achas, ãh? Vamos tentar manter-nos firmes nisto? Seremos, com certeza, muito mais felizes. Apesar de poderes achar que não, eu gosto muito de ti e juro que me vou esforçar por continuar a cuidar de ti como mereces. Prometo, prometo, prometo.

Um enorme beijo, desta sempre tua,
Perna Fina.

2 Comments on Para o meu Corpo

  1. Adoro este post, Adoro mesmo, tanto que vou partilhar no meu feed. Um beijo enorme que tanto eu como tu partilhamos deste sentimento de orgulho e luta diária.. Somos do caraças

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *