afd

Tudo começou ainda em 2014, no meu dia de anos, o dia 31 de Dezembro. Nesse dia decidi, antes do meu jantar de anos, ter a infeliz, ou feliz, ideia de me pesar. Foi naquele momento que vi um enorme 65 na balança. Eu nunca fiz desporto. Era aquela menina que fazia por faltar às aulas de educação física no secundário, que se “esquecia” do fato de treino, etc. Mas, apesar de tudo nunca tinha ultrapassado os 58/60 quilos. Sempre fui preguiçosa, facto assumido, mas naquele dia as calças 40 estavam-me justas e eu não gostei do que vi ao espelho. 65 quilos. Foi este o meu ponto de partida para em 2015 mudar tudo.

Comecei a correr em janeiro, pequenas corridas (na verdade foram só três), mas rapidamente desmoralizei, porque me cansava rapidamente, era muito lenta e não me sentia nada bem. Para além disso, a balança não alterava de modo nenhum, mesmo fazendo qualquer coisa como “uma dieta”. Tendo fracassado nesta primeira tentativa, em plena Páscoa, passei à tentativa numero dois. Iniciei, na segunda-feira depois da Páscoa, uma dieta da moda. Nunca tinha feito uma dieta, ou pelo menos um dieta restritiva, mas pensei que teria de dar tudo por tudo. E a verdade é que dei.

Foram 3 meses sem exercício, 3 meses de restrição alimentar, foram 8 quilos a menos. Terminei a dieta com 57 quilos e aproveitei o facto de me sentir leve e motivada para me inscrever no ginásio. Na minha primeira avaliação, e apesar da dieta, tinha 58 quilos e 32% de massa gorda. Tinha perdido, sobretudo, massa muscular. Foi aqui que entrou o meu treinador (que hoje idolatro tanto!), que me fez definir objectivos. Um deles? Fazer a Corrida do Tejo em menos de 55 minutos.

Traçou-me um plano de corridas, musculação e recuperação activa e eu, muito responsável, segui aquilo como se sagrado fosse, juntamente claro, com uma alimentação equilibrada, mas mesmo assim low carb. Ao final de 3 meses de exercício e com dieta perdi mais 5 quilos e baixei para os 25% de massa gorda (que ainda considero um pouco alta para os objectivos que defini a longo prazo). Recentemente, comecei, aos poucos, a repor os bons hidratos de carbono.

Hoje sou uma mulher feliz. Fiz o que fiz por mim e apenas por mim. Sinto-me orgulhosa por pegar numas calças 36 e da silhueta que alcancei. E não menos importante: fiz a Corrida do Tejo em 55 minutos e 3 segundos. Próximos objectivos? Meia Maratona. Maratona. E um dia, quem sabe, (sonhar alto também é bom) completar o Iron Man. Mas, acima de tudo, nunca, nunca mais parar de cuidar de mim e de tratar o meu corpo com tudo o que de melhor merece.

Ana Filipa Delgado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *