Das piores coisas de ser gorda, à parte de todas as doenças, pouca autoestima e desalento geral, é não ter nada para vestir. E nada é mesmo nada, ou muito, muito pouco. Não foi preciso muito tempo para eu me mentalizar que, por causa do meu corpo, havia montes de peças de roupa que eu não podia vestir. Quer dizer: poder, podia, mas nunca me senti bem em fazê-lo. Camisolas que deixassem o umbigo de fora, calças muito justas, calções, saias curtas e tops sem alças, tudo isso me passou ao lado. Calças de ganga e camisolas era tudo o que eu usava. Às vezes comprava uma saia ou um vestido, mas acontecia várias vezes nunca os estrear. Olhando para trás, não posso dizer que esta coisa da roupa tenha condicionado toda a minha existência, mas a verdade é que passei década e meia presa no meu próprio corpo, sem saber muito bem como me libertar dele. Cheia de entraves. Com pouca opção de escolha. E isso sim, condicionou-me à séria. Agora que estou do outro lado da barricada, percebo que o que vivi me tornou melhor. Melhor porque valorizo este corpo que eu tenho, porque não me foi dado de mão beijada. Foi conquistado por mim. Este corpo que hoje pode vestir tudo o que eu quiser.

3 Comments on Ser gorda e não ter o que vestir

  1. Olá Perna Fina!
    Já tinha vindo ao blog em tempos, deixei marcado nos favoritos mas sem saber porquê, não voltei. Até hoje 😀 Tenho estado a devorar os seus textos e não pude ficar indiferente a este.
    É a maior das verdades, quantas vezes não comprei já coisas tão giras que depois não tenho coragem para usar porque não me sinto bem? (Muitas)
    O meu sonho é poder dizer a última frase do seu texto, que posso vestir o que quiser. Mas até lá, ainda tenho mais uns 10kg pela frente :X

    Beijinhos 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *