A pessoa com quem eu mais compito é comigo e, de vez em quando, sinto que entrei numa luta sem fim. E, por ter de estar sempre comigo em mim, chego a roçar a exaustão. Porque quando compito com os outros permito-me ter algum tempo para relaxar e imaginar o que estarão a fazer para atingir ou não os seus objetivos. Quando compito comigo não há escapatória possível. Neste campeonato que é só meu, jogam a razão e a emoção. A razão não podia ser mais evidente. É a emoção que me engana, que me trai, que às vezes me supera. Nem sempre. Nem nunca. Anseio o dia da inundação interior. Inundação de amor próprio, de amor d’outro, de aceitação e agradecimento. Inundação de emoção racional. De Paz. Dar de comer à alma, empanturrá-la. Deixar o corpo leve, sereno de si. Uma carga de trabalhos para 2015.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *